Altamente Cronicável

Por Luciana Pinsky

As-coisas-e-seus-tempos
As coisas e seus tempos

por Luciana Pinsky

Quebrou a prateleira da geladeira. A maçaneta da porta da frente caiu. Vazamento no banheiro. Copo estilhaçado. Depois do terceiro, parei de contar. Saleiro, troco todo mês. O ferro de passar já era, assim como o aspirador de pó. A máquina de lavar, praticamente nova, não seca mais. Minhas roupas rasgam, a sola do sapato solta, a alça da mala descostura. O celular e o elevador travam, o sistema operacional do computador não atualiza mais. A bateria do livro eletrônico foi embora antes do fim da história e a do carro não durou um ano.

Enquanto isso, a bicicleta acaba de completar 25 anos. Nem pneu fura. Em perfeitas condições está também o livro de capa roxa que comprei e devorei no primeiro ano da faculdade. Ele ainda me emociona. E aqueles óculos escuros que ganhei outro dia prometem.

Equilibrando-me na ciclovia carcomida da cidade penso que tinha de ser assim mesmo. Afinal, as coisas são mais ou menos como os amores e as amizades.

(Ilustração: Thomás Camargo Coutinho – http://www.flickr.com/photos/thomastaipa/

Este post tem 7 comentários

  1. Lindo texto. Extraordinária bike!

    1. Obrigada, Silvia! Bicicletas são sempre extraordinárias. Inclusive as ordinárias!

  2. muito nostálgico este texto, Lu, talvez de coisas atualmente descartáveis… a bike continua respeitada ; ela resolve vários problemas de trânsito… pra quem se acostumou desde criança….

    1. Uh, ainda não me conformei com isso…

  3. Por mais trinta!!!

  4. Obrigada, querida Leny.

  5. Baita texto, Lu! Adorei! Beijo Vivi

Comentários encerrados.

Fechar Menu